loader

Mamografia


Como é realizado

Existem disponíveis, dois tipos de exames de mamografia: a analógica e a digital. Na mamografia analógica, após a realização do exame, o filme precisa ser revelado em uma máquina especial para depois ser analisado por um médico especialista. Já na mamografia digital, após a realização do exame, a imagem é passada diretamente para um computador onde já poderá ser analisada. Em termos de qualidade, não existem grandes diferenças entre estes dois métodos, desde que sejam bem realizados e analisados por um médico radiologista com boa experiência na área.

Para a realização da mamografia, a pessoa é posicionada na máquina de exames e sua mama é, então, comprimida entre duas chapas de acrílico.

Não existe maneira de se fazer o exame sem a compressão e, caso ela não seja feita de maneira adequada, o exame não terá boa qualidade, independente se for o sistema analógico ou o sistema digital. A quantidade que cada mama precisa ser comprimida é pré-programada nos aparelhos e já vem regulada da fábrica, atendendo normas de qualidade exigidas por órgãos internacionais, ou seja, não depende exclusivamente da maneira que o técnico realiza (se ela não for feita adequadamente, pode não gerar uma imagem de boa qualidade, prejudicando a avaliação do médico radiologista, fazendo com que lesões menores possam passar despercebidas). Assim, não há como realizar o exame sem a compressão.
Normalmente são realizadas quatro incidências (duas em cada mama), porém, às vezes, é preciso utilizar algumas incidências especiais, além das quatro rotineiras que servirão para avaliar alguns detalhes específicos. Estas incidências devem ser sempre realizadas de acordo com a solicitação do médico que irá avaliar o exame.

Quem tem próteses mamárias (silicone) há mais de seis meses, pode e deve realizar a avaliação mamográfica nos períodos de rotina (em condições normais, não há risco de a prótese romper durante a compressão). Não se aconselha, contudo, a realização deste exame nos primeiros seis meses após a cirurgia, devido ao risco de “abrir” os pontos cirúrgicos internos da mama quando for feita a compressão. Infelizmente, quem tem prótese mamária nunca terá uma avaliação com a mesma precisão de quem não tem, pois a prótese “esconde” uma boa parte do tecido mamário no exame de mamografia. Nestes casos, para tentar aumentar a qualidade do exame, aconselha-se realizar sempre a incidência de Eklund (além das quatro normais), onde as próteses são deslocadas posteriormente durante a realização do exame para que o tecido mamário fique mais evidente na imagem. Esta manobra também não impõe nenhum risco para a prótese, porém sua realização pode ser um pouco mais desconfortável do que as incidências convencionais.

Quem está amamentando também pode realizar o exame de mamografia sem nenhum problema ou risco para a criança.

Sugerimos que o exame seja realizado sempre no período pós-menstrual, pois é quando a mama está menos sensível e a compressão fica menos desconfortável.

Quem tem mamas pequenas, quase sempre têm maior sensibilidade durante a compressão, porém, como já foi explicado anteriormente, não há maneira de realizar o exame com qualidade sem compressão.
Nunca utilizar desodorantes que contenham talco no dia anterior e, principalmente, no dia do exame, pois o talco pode simular alteração maligna e confundir o médico que irá analisá-lo.
Por utilizar radiação, este exame não poderá ser realizado em mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez, exceto em casos especiais, quando o médico tiver uma forte suspeita de que possa haver um câncer na mama e a avaliação por outros métodos como a ultrassonografia (ecografia) e a ressonância magnética não tenha sido suficiente.

Este exame, como qualquer outro de diagnóstico por imagem, após ser realizado, precisa ser cuidadosamente analisando por um médico especialista, o que demanda tempo e atenção. Portanto, lembre-se que nem sempre a liberação de um laudo e de um exame imediatamente após sua realização é sinônimo de qualidade e precisão, duas coisas que devem ser primordiais no cuidado de nossa saúde.


Compartilhar: